secretaria@tupinamba.adv.br
55 (21) 2524-7799 / 2533-7137

Pesquisa mostra preocupação de servidores com a prática de atividade física

Levantamento do TST em Movimento revela que quase 80% dos participantes têm praticado exercícios físicos nos últimos três meses

01/07/2021 – Cerca de 325 servidores do Tribunal Superior do Trabalho (TST) contaram estar praticando atividades físicas nos últimos três meses. Os dados, divulgados esta semana pelo TST em Movimento, fazem parte da Pesquisa de Indicadores de Saúde – Edição 2020.

Foram quatro os exercícios mais praticados pelos participantes do levantamento: caminhada (26,8%); musculação (21,8%); treinamento funcional (13,2%); e corrida (10,5%).

Na avaliação do coordenador do TST em Movimento, João Sadat, o resultado mostra que há uma preocupação real das pessoas com a atividade física, mesmo no momento de circulação restrita por conta da pandemia de covid-19. “Os dados mostram que esses servidores estão realizando esses exercícios pelo menos três vezes por semana e por, pelo menos, 55 minutos por dia. É um número bastante relevante diante do cenário que vivemos em dezembro do ano passado, quando muitas academias e parques públicos ainda estavam fechados por conta da crise sanitária”, detalha.

João Sadat lembrou também que essas restrições fizeram com que o TST em Movimento buscasse alternativas para auxiliar os servidores a continuarem a se movimentar. “Começamos a filmar as aulas de ginástica laboral e também a realizar os exercícios ao vivo, além de criarmos o programa de condicionamento cardiorrespiratório. Tudo isso pode ser realizado dentro de casa sem o perigo da contaminação pelo novo coronavírus”, reforça.

Sedentarismo

Apesar da realização de atividades físicas por parte de vários servidores do Tribunal, a pesquisa revelou que pelo menos 86% dos participantes passam mais da metade do dia sentados ou em comportamento sedentário. Já o tempo em frente às telas (celulares e computadores), seja para trabalhar ou para lazer, pode chegar a 11 horas diárias.

“Já existem diversos estudos que relacionam o tempo sentado com problemas de saúde. Reduzir o tempo sentado é um dos objetivos do TST em Movimento, assim como reduzir o tempo olhando para telas”, pontua João Sadat ao lembrar-se da necessidade de realizar as chamadas pausas ativas também durante o trabalho remoto.

Sono

A Pesquisa de Indicadores de Saúde – Edição 2020 questionou os participantes sobre as horas de sono e também a qualidade de sono diário. 

A maioria dos servidores relatou dormir cerca de 7 horas por noite. Para 63,2% deles, esse sono é reparador, ou seja, consegue suprir as necessidades fisiológicas de um adulto, que deve dormir, segundo recomendações da OMS, entre 7 e 9 horas por noite.

Dor

O questionário on-line apontou que quase 20% dos servidores disseram sentir dores diárias, principalmente na lombar e na coluna cervical. Cerca de 82% deles afirmaram que a dor já é uma realidade por mais de três meses, ou seja, já é considerada uma dor crônica.

O coordenador do TST em Movimento destaca que o programa tem concentrado esforços nesse tema, direcionando as aulas de ginástica laboral para exercícios que fortaleçam essas partes do corpo.

Alimentação

A pesquisa revelou ainda que 72% dos participantes disseram consumir frutas, verduras, legumes e hortaliças por mais de cinco dias da semana.

No entanto, 92% dos servidores afirmaram não consumir as cinco porções diárias de vegetais que são recomendadas. “É um dado preocupante, já que a frequência semanal é tão importante quanto a quantidade diária recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS)”, alerta o coordenador do TST em Movimento.

Programa

O resultado da Pesquisa de Indicadores de Saúde – Edição 2020 mostrou que 94% dos participantes conhecem o TST em Movimento e 90% deles acreditam que o programa tem cumprido seus objetivos.

“Vimos nos resultados da pesquisa que o programa está no caminho certo. Estamos trabalhando de forma incansável para mudar o estilo de vida dos servidores do TST, para que eles se tornem mais ativos e saudáveis. Também temos trabalhado em outras frentes como ergonomiasaúde mentalsonoalimentação saudável, tudo isso para ajudar a melhorar a saúde de todos”, explica João Sadat. 

Pesquisa

As perguntas da Pesquisa de Indicadores de Saúde – Edição 2020 foram enviadas por e-mail no final do ano passado aos servidores sorteados pelo TST em Movimento. No total, 421 pessoas responderam ao questionário de forma anônima, sendo a maioria mulheres (53,9%). Os homens corresponderam a 46,1% dos respondentes.

A média de idade dos participantes foi de 41 anos. Cerca de 70% deles estão casados ou em união estável, e 63,4% trabalham atualmente em setores judiciários. 

Segundo os resultados da pesquisa, 43,3% dos servidores trabalham no turno vespertino e outros 24%, pela manhã. Cerca de 21,1% afirmaram realizar as atividades laborais em período variável do dia.

Infográfico com os resultados da Pesquisa de Indicadores de Saúde - Edição 2020- realizada pelo TST em Movimento em dezembro do ano passado

Veja todos os resultados da Pesquisa de Indicadores de Saúde – Edição 2020.

(Juliane Sacerdote/RT)

Pesquisa mostra preocupação de servidores com a prática de atividade física

Levantamento do TST em Movimento revela que quase 80% dos participantes têm praticado exercícios físicos nos últimos três meses

01/07/2021 – Cerca de 325 servidores do Tribunal Superior do Trabalho (TST) contaram estar praticando atividades físicas nos últimos três meses. Os dados, divulgados esta semana pelo TST em Movimento, fazem parte da Pesquisa de Indicadores de Saúde – Edição 2020.

Foram quatro os exercícios mais praticados pelos participantes do levantamento: caminhada (26,8%); musculação (21,8%); treinamento funcional (13,2%); e corrida (10,5%).

Na avaliação do coordenador do TST em Movimento, João Sadat, o resultado mostra que há uma preocupação real das pessoas com a atividade física, mesmo no momento de circulação restrita por conta da pandemia de covid-19. “Os dados mostram que esses servidores estão realizando esses exercícios pelo menos três vezes por semana e por, pelo menos, 55 minutos por dia. É um número bastante relevante diante do cenário que vivemos em dezembro do ano passado, quando muitas academias e parques públicos ainda estavam fechados por conta da crise sanitária”, detalha.

João Sadat lembrou também que essas restrições fizeram com que o TST em Movimento buscasse alternativas para auxiliar os servidores a continuarem a se movimentar. “Começamos a filmar as aulas de ginástica laboral e também a realizar os exercícios ao vivo, além de criarmos o programa de condicionamento cardiorrespiratório. Tudo isso pode ser realizado dentro de casa sem o perigo da contaminação pelo novo coronavírus”, reforça.

Sedentarismo

Apesar da realização de atividades físicas por parte de vários servidores do Tribunal, a pesquisa revelou que pelo menos 86% dos participantes passam mais da metade do dia sentados ou em comportamento sedentário. Já o tempo em frente às telas (celulares e computadores), seja para trabalhar ou para lazer, pode chegar a 11 horas diárias.

“Já existem diversos estudos que relacionam o tempo sentado com problemas de saúde. Reduzir o tempo sentado é um dos objetivos do TST em Movimento, assim como reduzir o tempo olhando para telas”, pontua João Sadat ao lembrar-se da necessidade de realizar as chamadas pausas ativas também durante o trabalho remoto.

Sono

A Pesquisa de Indicadores de Saúde – Edição 2020 questionou os participantes sobre as horas de sono e também a qualidade de sono diário. 

A maioria dos servidores relatou dormir cerca de 7 horas por noite. Para 63,2% deles, esse sono é reparador, ou seja, consegue suprir as necessidades fisiológicas de um adulto, que deve dormir, segundo recomendações da OMS, entre 7 e 9 horas por noite.

Dor

O questionário on-line apontou que quase 20% dos servidores disseram sentir dores diárias, principalmente na lombar e na coluna cervical. Cerca de 82% deles afirmaram que a dor já é uma realidade por mais de três meses, ou seja, já é considerada uma dor crônica.

O coordenador do TST em Movimento destaca que o programa tem concentrado esforços nesse tema, direcionando as aulas de ginástica laboral para exercícios que fortaleçam essas partes do corpo.

Alimentação

A pesquisa revelou ainda que 72% dos participantes disseram consumir frutas, verduras, legumes e hortaliças por mais de cinco dias da semana.

No entanto, 92% dos servidores afirmaram não consumir as cinco porções diárias de vegetais que são recomendadas. “É um dado preocupante, já que a frequência semanal é tão importante quanto a quantidade diária recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS)”, alerta o coordenador do TST em Movimento.

Programa

O resultado da Pesquisa de Indicadores de Saúde – Edição 2020 mostrou que 94% dos participantes conhecem o TST em Movimento e 90% deles acreditam que o programa tem cumprido seus objetivos.

“Vimos nos resultados da pesquisa que o programa está no caminho certo. Estamos trabalhando de forma incansável para mudar o estilo de vida dos servidores do TST, para que eles se tornem mais ativos e saudáveis. Também temos trabalhado em outras frentes como ergonomiasaúde mentalsonoalimentação saudável, tudo isso para ajudar a melhorar a saúde de todos”, explica João Sadat. 

Pesquisa

As perguntas da Pesquisa de Indicadores de Saúde – Edição 2020 foram enviadas por e-mail no final do ano passado aos servidores sorteados pelo TST em Movimento. No total, 421 pessoas responderam ao questionário de forma anônima, sendo a maioria mulheres (53,9%). Os homens corresponderam a 46,1% dos respondentes.

A média de idade dos participantes foi de 41 anos. Cerca de 70% deles estão casados ou em união estável, e 63,4% trabalham atualmente em setores judiciários. 

Segundo os resultados da pesquisa, 43,3% dos servidores trabalham no turno vespertino e outros 24%, pela manhã. Cerca de 21,1% afirmaram realizar as atividades laborais em período variável do dia.

Infográfico com os resultados da Pesquisa de Indicadores de Saúde - Edição 2020- realizada pelo TST em Movimento em dezembro do ano passado

Veja todos os resultados da Pesquisa de Indicadores de Saúde – Edição 2020.

(Juliane Sacerdote/RT)