secretaria@tupinamba.adv.br
55 (21) 2524-7799 / 2533-7137

Primeiro dia da oficina de Mandalas Terapêuticas apresenta os efeitos terapêuticos da técnica

Esse é o primeiro evento da programação em comemoração ao Dia do Servidor

A Seção de Qualidade de Vida e Cidadania da Coordenadoria de Desenvolvimento de Pessoas (Cdep), promoveu, nesta quinta-feira (8), a oficina “Mandalas Terapêuticas”. As atividades, conduzidas pela biomédica Celza Chaves, foram realizadas ao vivo, pela plataforma Google Meet. O evento on-line, que teve as vagas esgotadas, integra a programação da 22ª Comemoração ao Dia do Servidor e contou com o apoio da Associação dos Servidores do TST (Astrisutra) e o patrocínio do Sicoob Credijustra.

A palestrante Celza Chaves iniciou sua apresentação com a explicação dos efeitos terapêuticos e meditativos que a mandala oferece. “A partir da prática na produção de mandalas, podemos ter um melhor gerenciamento das nossas emoções”, afirmou. No primeiro dia de oficina, foram apresentados o significado da mandala, bem como a atuação de formas geométricas e cores.

Origem 

Segundo a biomédica, a mandala, representação comum no cotidiano, é um símbolo energético que gera conexão entre o divino e o humano. “Assim como todas as outras imagens, a mandala transmite sensações. O nome mandala significa círculo, em sânscrito”, destacou. 

Ao explanar sobre a origem do nome, Celza Chaves relatou que o círculo é o elemento principal das mandalas, além de ter potencial ligado à meditação, que gera energia tanto na apreciação visual, quanto na expressão. 

Autoconhecimento

A respeito da estrutura física da mandala, a instrutora detalhou que o ponto central da mandala representa a essência. “Por meio da mandala obtemos uma ferramenta de autoconhecimento”, ressaltou a palestrante.

Durante a transmissão, a biomédica trouxe em pauta a leitura da mandala com base nos conhecimentos de geometria sagrada, derivada da Flor do Egito. Conhecimentos budistas também foram tratados ao relacionar a feitura da mandala com um período de alívio do estresse e de concentração, benefícios que já foram percebidos pela servidora Ana Carolina Moraes Pires, que participou da oficina. “Hoje foi um dia bastante tenso, então esse foi o momento de parar para relaxar, foi muito prazeroso”, contou.

Cores e formas

A instrutora Celza Chaves também estimulou os participantes a refletirem sobre os significados das formas e das cores em um exercício. Ao desenhar o triângulo dentro do mosaico, por exemplo, ela explicou que a forma está conectada ao lado espiritual do corpo humano. Já o quadrado, segundo ela, traz benefícios por gerar boas vibrações na realização física. Ela revelou, ainda, que o desenho do pentágono causa leveza e renovação. “Conhecido como a estrela de cinco pontas, o pentágono é muito usado em estudos de alquimia e está ligado à liberdade de ação e à liberdade de pensamento”, ressaltou.

Quando direcionado ao estudo das cores, Celza Chaves relatou que laranja representa a cor da coragem, da reconstrução e da melhora. Já o azul gera tranquilidade e limpeza espiritual. O vermelho, por sua vez, representa a cor da intensidade. Segundo ela, todas as cores têm simbologias na construção da mandala. 

Prática

Os participantes da oficina puderam realizar a experiência de desenhar a sua própria mandala em duas atividades práticas. A palestrante Celza Chaves recomendou que houvesse um pequeno período de meditação antes que iniciassem a execução da mandala, com períodos de inspiração e expiração.

A servidora Marta Medrado Silva relatou, durante a atividade, que fazer a mandala conhecendo os significados de cada elemento foi ainda mais difícil. “Na segunda mandala já fiz pensando em colocar tons de rosa, amarelo e laranja. Mas, na hora da execução, fui colocando as cores por escolha intuitiva”, afirmou.

A servidora Carla Beatriz de Ávila também aproveitou as atividades práticas. “Senti muita vontade de fazer a mandala, principalmente por já ter uma conexão com a mestre Kuan Yin, uma grande representante da vida. Durante o desenho, senti vontade de desenhar a Flor de Lótus como se fosse uma homenagem para ela”, contou. 

Sorteio de brindes

Ao final da oficina, houve sorteio de brindes aos participantes que cadastraram presença por meio de formulário. As servidoras Marilise Ravazio Lauxen e Aline Maciel dos Santos foram contempladas com um kit de lápis de cor em 36 cores e um livro de mandalas para colorir. 

(Mariana Gomes/AB)